Quem Somos

Eu e Minha Família - Luciana, Rev. Luciano, Luciano e Luciana (da esquerda para a direita)

Eu e Minha Família – Luciana, Rev. Luciano, Luciano e Luciana (da esquerda para a direita)

Um Sonho de 18 Anos se Torna Realidade – Quem Somos

Os planos e o tempo do Senhor seguem de fato rumos inimagináveis…

Meu nome é Luciano Freire de Santana, sou bacharel em teologia, analista de sistemas e técnico em eletroeletrônica. Casado (Luciana) e possuo dois filhos (Luciana e Luciano).

Por volta de Janeiro de 1997, viajava para São Paulo, capital, com o objetivo de fazer o meu mestrado em teologia no Andrew Jumper, da Igreja Presbiteriana do Brasil.

Residente na pequena cidade paraense de Capanema, ainda que natural de Morro do Chapéu, Bahia; encontrava naquela viagem a oportunidade de continuar os estudos acadêmicos.

Muitos fatores contribuiriam para que eu não pudesse fazer aquele mestrado, tendo que retornar para Capanema. Sem opção, descobri uma promoção relâmpago, daquele que haveria de ser meu primeiro computador, um IBM Aptiva Intel 486 DX4 Pentium 100 MHz, 16mb de RAM, VGA de 2 MB, preço imbatível, satisfação garantida (trocando em miúdos o meu celular hoje possui 126 vezes mais memória RAM).

Com a chegada da internet em Capanema, o que podia ter como sinal de novo ou estava nos canais abertos de TV ou na “ainda menina” internet, norteada pelos canais de chat (que eram de IRC), animações (que eram somente em GIFs), imagens borradas com baixa resolução, mas totalmente aberta para novas ideias.

A internet era muito embrionária, e os recursos multimídia inviáveis pelo seu tamanho e consequentemente dificuldade de transmissão em conexões discadas de 14400 bps (posteriormente 33600 bps, equivaliam a pouco mais de 4 KB por segundo, e isto em condições ótimas).

Mas em contraponto, para texto a internet era viável. Sua utilização para sites de conteúdo era extraordinária, e foi neste ambiente que encontrei muitos sites de teologia, geralmente norte americano. Destes sites pude sorver bons textos, boas devocionais, algo que me sublimava com a sua eficácia e pela ausência do mestrado.

Porém estes textos estavam em inglês, poucas pessoas podiam fazer uso deles, foi desta necessidade, que na época surgiu a ideia de fazer algo que pudesse inserir a comunidade cristã brasileira neste mundo meio que “paralelo” do ciberespaço.

Infelizmente eu não sabia HTML, tratar imagens, construir sites. Também não conhecia ninguém que soubesse. Nesta época a realidade era de sites estáticos de cinco links, sem nenhuma interatividade entre o usuário e o servidor e que custavam somas exorbitantes.

O navegador (na época era o Netscape) era mero apresentador de requisições feitas ao servidor. Os mecanismos de busca famosos eram o Cadê e o Sapo (o Yahoo veio bem depois). Google, Facebook, etc., Claro, não existiam.

Sonhei, então, fazer um portal da comunidade cristã, onde cristãos poderiam interagir uns com os outros, enviar seus pedidos de oração, ler a Bíblia de forma digital, poder fazer suas devocionais, ler livros traduzidos em português e tudo isso de graça.

Como tocar um projeto destes? Oração e mais oração, e no mundo das coisas, nada…

O tempo foi passando, mudei-me para Irecê na Bahia onde tive um cybercafé chamado Cyberespaço. O projeto veio à tona novamente, agora eu tinha 28 computadores, funcionários, e comecei a digitar livros evangélicos já de domínio público, bem como fazer a tradução de alguns do inglês e do espanhol. Lembro-me de algumas funcionárias lendo o livro enquanto eu o digitava, pois os reconhecedores de caracteres (OCRs) eram ineficazes (com tecnologia em desenvolvimento).

Mas ainda não foi neste tempo, o tempo do Senhor.

Com a proliferação das LAN houses, parti para a automação bancária pela Cobra Tecnologia, empresa do Banco do Brasil. Neste período foquei a formação “secular” e formei-me como Técnico em Eletroeletrônica e Analista de Sistemas, fui professor universitário no Curso de Administração e Ciências Contábeis. Imbuído na sobrevivência e sustento da família, mal tinha tempo para descansar.

Hoje, vivendo outro momento, após muitas tribulações, erros e acertos, com o desejo ardente de reatar os votos e laços do sacerdócio, lembrei-me daquele projeto.

Após procura ávida, lá estava ele, em meio aos meus sermões pregados em longas datas. Papel amarelado, digitado no notepad, notas feitas à mão. Projeto sonhado e desejado por muitos anos.

O momento web hoje é outro, muitos sites, blogs, redes sociais, multimídia, etc. Entrar neste mundo não é simples. Mas creio que no mover do Senhor, sei que hoje possuo o conhecimento mínimo necessário para tocar este projeto em conjunto com aqueles que tanto amo: minha esposa Luciana, e meus filhos Luciana e Luciano, bem como todos da família de Cristo já incluídos na cultura digital.

Dou graças a Deus pelos meios básicos, mas essenciais e suficientes, para fazer do projeto Web Para Cristo, meio abençoador e da Sua glória, afinal de contas não existe mundo no qual o Senhor não reine sobre ele, e a web não foge a esta regra.

A Ele, pois, a nossa devoção, adoração e serviços, para cumprir o ministério cristão de honrar o Senhor em todos os ambientes que estivermos:

“Pois, nele, foram criadas todas as cousas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. TUDO FOI CRIADO POR MEIO DELE E PARA ELE.” (Colossenses 1.16).

Para Ele Toda a Glória, pelos Séculos dos Séculos, Amém.

Dos vossos irmãos, conservos de Cristo,

Rev. Luciano, Luciana, Luciana e Luciano

Família LusLuz : )

 

banner_msouza3_264x207
bvertical_guia